21º Capitulo - O Par:

Finalmente Acabei !! tenho andado sem tempo nenhum... Fogo!!!

Bem espero que gostem!!!

Mas nao ta nada de jeito...-.-

 

Capitulo Anterior:

 

Voltei a olhar em frente e vi o horizonte. Eram horas de eu partir. Subi um dos pés para a barra mais alta, como se estivesse a subir umas escadas. Fiz o mesmo com o outro pé. E agora a ultima barra apenas me batia na linha abaixo do joelhoVoltei a olhar para frente e tentei observar o horizonte, era a hora de partir. Subi um dos pés e firmei-o em uma grade mais alta que a anterior, como se estivesse subindo uma escada. Fiz o mesmo com o outro pé e, agora, a última barra da sacada batia apenas na linha baixa dos meus joelhos.

 

E estava na hora hora. Senti mais uma vez o vento. E vi lá em baixo os pontos. Eu iria ter com eles. Iria estar para sempre com eles. E iria ser feliz com isso.

 

Estava na hora de ir. Estava na hora de ser feliz.

 

Capitulo 21º - O Par:

 

 

Mas nesse momento, algo estranho aconteceu. Uma musica conhecida inundou-me os ouvidos, uma musica que vinha do andar de cima. Ian estava a ouvir ‘The Reason’ do ‘Hoobastank’. O Som entrou-me nos ouvidos como um remédio para a lucidez. Isso trouxe-me de volta a realidade, e eu vi-me ali, com o perigo de me esborrachar lá em baixo.



Nunca me tinha pensado em matar. Alias, nunca achei bem uma pessoa abrir mão da

própria vida. A maior davida de um ser humano, a davida da existência.

Comecei a respirar muito rápido, as minhas mãos tremeram e o medo correu-me pelas veias. Tentei ficar parada enquanto pensava, qualquer movimento me poderia levar a cair.


Com cuidado, movi uma das mãos para baixo e com a outra limpar as lágrimas involuntárias de terror que me corriam pela cara. Respirei fundo fui descendo ate acentar com os pés no chão. Consegui alcançar o chão.

Agora que eu já estava com os pés em terra o meu medo veio arrebatador. O meu lapso momentâneo de consciência quase me levara a uma tragédia. Então era isso que ele tinha feito comigo? Transformou-me numa louca suicida que perde a razão de si mesma? Eu sempre soube quem era, mas …e agora? Agora eu estava somente a chorar sentada no chão frio das exteriores a ouvir a música mais bonita que, naquela situação, significava tudo.

Acho que, inconscientemente, ele estava a querer-me passar um recado. A letra da canção é coincidente demais com a nossa história. O problema é que não me importo em ele ser perfeito e dizer que não me queria magoar, porque magoou  destruiu, fim. E, agora, qualquer coisa que ele dissesse, para mim, era falso demais, era mentira. Como é que eu poderia voltar a confiar nele?


Entrei no quarto e soltei a tensão na almofada. Era exelente soltar a raiva naquela superfície tão macia. E então lembrei-me da Cat. Ela devia estar a chegar. Vesti alguma coisa á presa, e desta vez tive a preocupação de fazer a roupa condizer. Não lhe queria dar ainda mais motivos de preocupação.


Estava a tentar ficar estável. Mais calma. Afinal, eu ia cometendo uma loucura. Uma coisa sem sentido. Será que eu estava bem?


Ouvi vozes na sala. Apressei-me para o corredor.

- Ola Cat! A Ree esta no quarto… ouvi o Din a dizer á Cat.

Apressei-me e entrei no campo de visão deles. A Cat olhou-me de alto a baixo.

 

- Tudo bem? – perguntei devagar e com esperança de que a voz saísse bem.

 

- Sim… e contigo? – respondeu-me a Cat aproximando-se – Vai andando para o quarto que eu já vou.

 

Não sei o que era mas ela queria-me despachar.

Fui pelo corredor, ate eles deixarem de me ver. Depois fiquei a ouvir.

- Tenta ver se a animas… - era o Din, com uma voz trsite. Não devia ser fácil para ele ver-me assim. Mas eu não congueia estar de outra maneira.

 

- Vou tentar… ela disse que acabou com o Ian. Houve alguma discuçao ou assim?

 

- Que eu me desse conta não… Mas nem sei porque é que eles acabaram. Eles pareciam perfeitos… Nem a Miriam sabe o porquê…

 

- O Kyle também não. Parece que o Ian não esta la muito bem…

- Ele veio ca , e não parecia muito bem não…

- Pois… eu vou lá falaar com ela então…

- Vai….

Corri para o quarto, entrei e sentei-me na cama tentando uma posição que parecesse normal…

*


Foi divertido passar o resto da manhã e a parte da tarde com a Cat. Acho que a subestimei-a quanto a isso.  Mas ela conseguiu-me animar. E esquecer algumas coisas…

Ainda arranjamos uma receita na internet, mas não saiu la muito bem. O Din acabou por ir comprar umas pizas ao outro lado da rua.

Ele parecia mais feliz… e ainda bem.



Durante a tarde, jogamos playstation, ouvimos  um pouco de vídeo-game, ouvimos música, conversamos sobre as últimas fofocas da faculdade e disse-me que tinha convidado o kyle para a festa de gala da Paola Lince.

- Vai ser muito divertido. Vestidos, sapatos, comida chique, musica fina, rapazes giros…

- Cat!


- Eu já um vestido caríssimo para poder ir, é super lindo também. Tem muito brilho e combina com uma jóias que eram da minha mãe. E turquesa escuro… é Lindo!

 

- Cat – Ela pareceu sair do transe e prestou atenção. - Volta ao detalhe em que tu convidas-te o Kyle.


Ela corou.

- Bom, não foi bem um convite... Foi mais tipo “tenho dois convites para uma festa, a Ree não quis vir, Tu queres?”

- E o que é que ele disse?

- Que ia. – Sorriu satisfeita. – Mas acho que ele na entendeu a indirecta...

- Como assim?

- Acho só que ele ficou com a ideia de uma ‘saida de amigos’, sabes? E eu queria mais um encontro…


- Tu diseste-lhe?

- Claro que não! – e riu-se – Como é que eu ia dizer, ‘ Kyle, eu não te quero só como meu amigo, eu quero-te mas é comer’ ?


E ali eu ri-me bastante. Imaginei a expressão facial do Kyle a ouvir aquilo. Provavelmente ficava com cara de serio e a avaliar a situação


Eu estava a gostar do Dia. Mas sinceramente já estava com saudades do quarto ó para mim e da monótona solidão habitual naqueles últimos dias.


O Lado bom é que em todos esses dias, Ian nunca se tentara aproximar. Pelo menos, não muito. Só aquela vez que veio ao meu quarto…

Mas sem ser isso, não tinha descido as exteriores, nem bateu mais á porta, e nem sequer notei movimento no apartamento.

Como o meu telemóvel estava desligado, não sei se ele me telefonou.


- No que é que estas a pensar? - perguntou-me a Cat com uma cara curiosa

- Acho que hoje á noite vou ler um livro ou assim…

- Vais ficar bem? Juro que amanha eu passo o dia contigo. É que eu queria ir mesmo á festa e já combinei com o Kyle…


- Vais e ponto final! Tu és mega fã daquela estilista… e eu tenho o meu cubo magico.


Ela riu.

- Nunca vi ninguém conseguir montar aquilo.

- Nem eu. – Ri também.

Ouvimos o toque do telefone da sala, Cat apressou-se a atender.


- É o Pedro. – Disse ela baixinho tapando o bocal do telefone com a mão

- Pergunta-lhe o que é que ele quer. – Sussurrei e assim ela fez.

- Ele Quer-te convidar para a Festa da Paola – Ela não se conseguiu conter, e a frase veio como um grito esganiçado e histérico.


- Não!

- Ela vai! – Respondeu animada e desligou o telefone.

- Tu perdeste a cabeça? Eu não vou á festa com o Pedro.


- Ah, vais sim. Eu já disse que ias – E sorriu triunfante.



- Liga outra vez e diz que não vou!

- Não.

- Então ligo eu! – Levantei-me para pegar no telefone mas ela segurou meu braço.

- Rebecca... Qual o problema?

- Não estou com humor…

- Eu sei, mas o dia de hoje não foi divertido? – perguntou com sinceridade.

Realmente, pensei. O dia poderia ter sido bem pior se a Cat não estivesse cá. Eu poderia ter ficado a pensar a tarde toda naquela musica que o Ian colocou fora intencional ou não. Provavelmente estaria me a afundar na depressão e no desespero…
- Foi.

- Então! – disse alto e levantou-se com animação. – Podemos fazer companhia uma à outra na festa, Tu também não tens mais nada para fazer…


- Mas o Pedro vai estar lá...

- E? – Franziu as sobrancelhas e balançou a cabeça sem entender.

- Hum, isto para ele vai ser um encontro… e eu não quero…


- Entao diz-lhe isso... e se ele tentar alguma coisa, diz-lhe logo. Tu sempre foste boa a dar tampas…


- Não estou emocionalmente preparada para isso.

-  Se ele te beijar, dizes-lhe que terminas-te algo recebntemente e que não estas pronta. Alias, se quizeres podes beijar de volta, parva. Afinal ele é teu ex namorado.
- Tu achas que eu sou o quê? – Perguntei perplexa.

- Estou a brincar, Ree! É só que eu não quero te deixar aqui sozinha e, poxa, o Pedro tem convites e é um rapaz 5 estrelas. Além do mais, se eu e o Kyle ficarmos sempre juntos de ti,  duvido que ele tente alguma coisa.


Era uma boa defesa. Eu poderia simplesmente conversar, distrair-me com os meus amigos e, realmente, o Pedro parece um bocado mudado.


- Tudo bem, eu vou.

tags:
publicado por RiiBaptista às 23:57 | link do post | comentar